Gestão de Crises: Porque pessoas e empresas devem se preocupar com isso

Da foto que você coloca no Facebook ao escândalo da sua empresa na mídia, todos estão sujeitos a ter problemas com imagem e reputação. Saiba como lidar com eles

Por Mariana do Amaral Antunes

Nos dias de hoje, toda empresa ou pessoa está sujeita a enfrentar situações que abalem sua imagem e reputação na mídia e na sociedade. Como evitar tais problemas e gerenciar crises foi justamente o tema tratado no último fim de semana, dias 04 e 05 de maio, pelo Especialista João José Forni, em palestra realizada na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) sobre Gestão de Crises.

Estudioso e pesquisador sobre o assunto no Brasil e no exterior, Forni explicou porque todas as organização – o que inclui as do Terceiro Setor, como ONGS, associações e fundações ligadas a universidades – devem se preocupar com gestão de crise antes que ela ocorra.

Escândalos envolvendo problemas na prestação de contas e no mau uso de recursos por parte de Organizações não-governamentais e fundações de apoio, que eventualmente aparecem na imprensa; ou ainda a divulgação de um vídeo constrangedor sobre você no YouTube são exemplos de que todos estão, sim, sujeitos a crises, e devem estar preparadas para lidar com elas, sobretudo as organizações. Mas afinal, o que é gestão de crise? Como proceder nesse contexto?

Sobre Gestão de Crises

Para João José Forni, pode ser considerado crise um acontecimento ou notícia que causam constrangimento a ponto de ameaçar a reputação da instituição e gerar danos à imagem, marca, produtos e serviços. Nesse contexto, o tema Gestão de crises é importante pois define o futuro da empresa: saber lidar com essa situação de forma correta pode evitar que a organização perca reputação, vidas, poder, espaço e negócios.

O especialista destacou também que o assunto se torna ainda mais atual na era da internet, com a difusão das  redes sociais, já que esse meio representa um risco potencial de crises para marcas e empresas.

Mas ao contrário do que muitos pensam, a maior parte das crises ocorrem por culpa da própria administração da instituição. Uma pesquisa do Institute for Crisis Management, dos EUA, constatou que entre as crises ocorridas entre 2001 e 2010 no mundo, 50% decorreram de problemas de administração; 32% envolvendo empregados, ex-empregados ou pessoas ligadas à organização. Somente 18% decorreram de outras causas.

Confira algumas dicas de João José Forni para prevenir situações de crise:

- Prevenção e preparação antes da crise: A melhor hora de gerenciar uma crise é antes que ela ocorra. Para isso, é necessário um trabalho de prevenção,que inclui Auditoria, gerenciamento de riscos, alertas e a criação de um plano de crise

- Administração e  empregados têm papel fundamental: Analisar cinco sistemas que controlam a organização, que são Tecnologia, Estrutura Organizacional, Fatores Humanos, Administração Psicológica e Cultura

- Neutralizar rumores e informações erradas: investir em palestras e treinamentos para executivo e colaboradores pode ser uma boa ideia

- Manter uma boa relação com a imprensa: Não adianta se queixar da mídia. Aprenda a conduzi-la e  sustente-se sempre na verdade

- Dar importância à Comunicação: Saber comunicar a mensagem certa, no momento certo e às pessoas certas é fundamental, seja antes ou durante a crise.

- Acabar com a burocracia: Organizações burocráticas têm extrema dificuldade para lidar com crises

- Em uma crise, o mais importante são: 1º Pessoas;   2º Meio ambiente;  3º Propriedades e 4º Dinheiro. Sempre nessa ordem.

Mais informações, artigos e cases sobre o assunto no site oficial do João José Forni: www.comunicacaoecrise.com

Twitter Digg Delicious Stumbleupon Technorati Facebook Email

Esse artigo ainda não tem comentários. Seja o primeiro a comentar.

Comente